quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Lição 07: Profetas Menores – Naum

Autor: Naum
Data: 635 a.C
Escreveu para: Nínive e ao Reino Sul (Judá)
Contemporâneos: Jeremias e Sofonias

“O SENHOR é bom, é fortaleza no dia da angústia e conhece os que nele se refugiam.” (Naum 1:7)

1- Introdução:

A lição de hoje nos convida a uma reflexão dentro do assunto ensino dentro de nossos lares.
“Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele”. (Provérbios 22:6).
Os Ninivitas, do tempo de Jonas, se arrependeram de seus pecados e se converteram, mas não ensinaram seus filhos e netos o caminho do temor ao DEUS de Israel.
“Esta palavra chegou também ao rei de Nínive; e ele levantou-se do seu trono, e tirou de si as suas vestes, e cobriu-se de saco, e sentou-se sobre a cinza. E fez uma proclamação que se divulgou em Nínive, pelo decreto do rei e dos seus grandes, dizendo: Nem homens, nem animais, nem bois, nem ovelhas provem coisa alguma, nem se lhes dê alimentos, nem bebam água; Mas os homens e os animais sejam cobertos de sacos, e clamem fortemente a DEUS, e convertam-se, cada um do seu mau caminho, e da violência que há em suas mãos. Quem sabe se voltará DEUS, e se arrependerá, e se apartará do furor da sua ira, de sorte que não pereçamos? E DEUS viu as obras deles, como se converteram do seu mau caminho; e DEUS se arrependeu do mal que tinha anunciado lhes faria, e não o fez”. (Jonas 3: 6-10)
Agora, no tempo do profeta Naum, aproximadamente 150 anos depois de Jonas por ali passar proclamando o juízo de DEUS sobre Nínive, eles estavam numa deplorável situação de idolatria, crueldade e opressão.
Naum escreve sobre os juízos de DEUS sobre Nínive e seus moradores. Não havia mais chance de arrependimento, DEUS não enviaria outro Jonas, seus pais não lhes ensinaram o caminho do arrependimento e a longanimidade de DEUS chegara ao fim para com eles.
A queda de Nínive ocorreu em 612 a.C, quando foi conquistada por uma coalizão (junção política com o mesmo interesse) dos babilônios, medos e citas (povo nômade da civilização antiga).
A história de Nínive é resumida por Naum na seguinte frase:  “Contra ti, porém, o SENHOR deu ordem que não haja mais linhagem do teu nome; da casa dos teus deuses exterminarei as imagens de escultura e de fundição; ali farei o teu sepulcro, porque és vil”. (Naum 1: 14)

2 – O Profeta e sua Geografia Histórica:

Nada se sabe a respeito de Naum, a não ser que era proveniente de Elcós (1.1), mas essa informação não ajuda muito, visto que a localização de Elcós é incerta. Jerônimo acreditava que esta cidade ficava perto de Ramá, na Galiléia. Sugere-se ainda a vizinhança de Cafarnaum, e também o sul da Judéia. Há quem afirme que esta cidade (Elcós) era Cafarnaum nos dias de Jesus, pelo o fato de Cafarnaum significar “Aldeia de Naum”, e isso possa ter relação com o nome do profeta. Mas é mera especulação.
O mais provável é que Naum fosse profeta de Judá, pois o Reino do Norte (Israel) já havia dissolvido quando este livro foi escrito. 
Embora este profeta falasse sobre Nínive, a mensagem trouxe certo conforto para o povo de Judá.
Depois de verem os irmãos de Israel sofrerem terrivelmente nas mãos dos cruéis assírios, e depois de ver algumas das cidades de Judá destruídas pelo mesmo império, a notícia do julgamento divino contra Nínive traria alívio para Judá: “Mas de sobre ti, Judá, quebrarei o jugo deles e romperei os teus laços... Eis sobre os montes os pés do que anuncia boas-novas, do que anuncia a paz! Celebra as tuas festas, ó Judá, cumpre os teus votos, porque o homem vil já não passará por ti; ele é inteiramente exterminado” (Naum 1: 13,15).
A mensagem de Naum distingue-se dos profetas maiores em virtude de atacar apenas o inimigo de Judá em vez de inclui-lo em seus oráculos de julgamento. Isso pode criar um obstáculo teológico em razão da dificuldade na conciliação da compaixão e perdão de Deus. Possivelmente Naum não tenha dito nada contra Judá pelo fato de estar vivendo no período das reformas que abrangeu o reinado de Josias, portanto uma época de esperanças reavivadas.
Naum Foi profeta durante os reinados de Manassés, Amom e Josias.

3 – Estrutura do Livro

As profecias de Naum podem ser esboçadas da seguinte forma:

O juiz – Cap. 1
A queda – Cap. 2
O lamento – Cap. 3

·         A qualidade literária de Naum é surpreendente. Na primeira parte do livro, por meio de um Salmo, ele destaca as características que autorizam Deus a executar juízo contra Nínive. Naum apresenta, de forma vívida, uma espécie de corte onde Deus apresenta, alternadamente, discursos de livramento a Judá e oráculos de julgamento à Assíria. A mensagem, em grande parte direcionada a Nínive, transmitia a esperança de livramento a Judá (1:15), oprimida por muito tempo pela Assíria (1:12-13). Esta profecia se cumpriu nos dias do rei Josias, quando os israelitas puderam novamente celebrar a páscoa (2 Cr. 35).
·         A segunda parte do livro contém relatos de guerra. Tal qual um repórter dentro do front de guerra, Naum, de forma realista, relata o esforço inútil do exército de Nínive em deter o invasor medo-babilônio. Os assírios estavam experimentando o mesmo tratamento que dispensavam aos outros povos, expresso na figura da família dos leões, que ironicamente foi usada por Isaías para se referir à Assíria. Em contraposição à destruição da suntuosidade de Nínive, Naum faz novamente uma breve referência à restauração do esplendor de Judá.
·         A última parte dos oráculos de Naum alista as causas da destruição de Nínive tais como:

Grande violência (3:1)
Depravação espiritual e política (3:4)
Sua ruína é descrita em termos de vergonha pública (3:5-7). Naum destaca que Nínive cairia da mesma maneira com a qual havia conquistado e destruído Tebas, logo suas fortificações e muros seriam inúteis contra a ira do Senhor. Sua queda seria motivo de alegria para todos os povos (3:19).

Nota -> Alguns expositores têm visto em 2:4 uma alusão ao automóvel moderno, mas esta é uma interpretação fora de contexto.

4 – Propósito e Conteúdo do Livro

O livro de Naum trata sobre os seguintes temas:
·         Julgamento e queda de Nínive
·         Libertação de Judá

A. O julgamento de Nínive (1.9-11).

Deus declarou que os assírios não teriam mais vitórias sobre o seu povo; eles falhariam e seriam destruídos.
Por causa de seu poder e força, eles imaginavam que seria fácil subjugar Israel e Judá. No entanto, todas as estratégias assírias seriam fúteis. Suas lutas e seus planos seriam agora contra o Senhor, que havia determinado a destruição deles e o faria de uma vez por todas.
Na verdade a Assíria teve somente uma grande vitória sobre o povo de Deus: a destruição de Samaria em 722-721 a.C. (2 Rs 17). A tentativa de destruir Jerusalém em 701 a.C. falhou (2 Rs 18.13-19.37; Is 36-37).
Embora os assírios tivessem muito poder sobre Judá, eles nunca destruíram totalmente a capital, Jerusalém. O Império Assírio caiu perante a Babilônia em 612 a.C.
A trama de perversidades de que fala o verso 11, talvez se refira ao rei assírio Assurbanipal (668-627 a.C.). A palavra mal aqui sugere algo demoníaco, como os poderes do caos.

B. A salvação de Judá (1.12-13).

O profeta se dirigiu a Judá na segunda pessoa (vs. 12). Embora o julgamento contra a Assíria seja mencionado (vs. 11), o foco principal é a libertação de Judá. A profecia confortadora assegurou ao povo de Deus que a queda da Assíria finalmente acabaria com a humilhação deles.
A bem conhecida fórmula do mensageiro profético “Assim diz o Senhor” mostra que Naum falou em nome de Deus. Ele dizia que por mais poderosos e numerosos que fossem eles, acabariam sendo ceifados e destruídos e Judá, embora tivesse sido afligida, não mais seria atormentada.
Naum pronunciou essa profecia enquanto a Assíria ainda era extremamente poderosa, provavelmente durante o reinado de Assurbanipal (668-627 a.C.).
Judá seria o estado vassalo da Assíria por muitos anos, mas a ameaça de derrota total para Judá e Jerusalém havia sido eliminada, por isso que Deus dizia, usando imagens poéticas vívidas que descrevem a emancipação de Judá (SI 2.3; Jr 2.20), que quebraria o jugo deles e romperia os seus laços – vs. 13.

5 – Ensinamentos de Naum

O principal ensinamento do livro de Naum só é obtido quando lemos pela ótica dos judeus. Para Israel, o império Assírio era o seu opressor. Por todo o livro, a ira de Deus contra Nínive é acompanhada pelo cuidado ao seu povo. Segue um quadro comparativo da postura Simultânea de Deus diante de Israel e Nínive:

REFERÊNCIAS

ISRAEL
NÍNIVE

1.2
Deus é zeloso, tem ciúmes de seu povo

Deus é vingador e cheio de ira contra Seus inimigos.

1.7-8
Deus é fortaleza para os que se refugiam Nele.

Deus é, destruidor e perseguidor dos Seus inimigos.

1.13-14
Deus liberta o povo.
Deus extermina o povo inimigo.

1.15
O povo de Deus celebra a paz.
O inimigo vil foi exterminado.

2.1-2
Deus restaura a glória do povo.
Deus avança contra os inimigos.


3.19
Celebram a libertação da maldade opressora.
Sofre do seu mal incurável e de sua condenação definitiva.


Embora os filisteus sejam bastante citados nos embates com o povo israelita e a Babilônia tenha sido a responsável pela derrocada de Judá, os assírios são tomados como o inimigo mais vil no Antigo Testamento.
Suas práticas militares genocidas levaram o terror ao Oriente Médio por mais de dois séculos. Seus prisioneiros eram submetidos a torturas, amputações, esfolamentos e outras perversidades.
Naum foi o proclamador da justiça divina que não deixou a brutalidade assíria sem castigo. A mensagem de Naum é que Deus é soberano sobre todas as nações, mesmo que essas nações não invoquem seu nome.

6 - O Cumprimento da Profecia

A cidade de Nínive foi pesada na balança e achada em falta. Nos dias de hoje vemos esta cidade ainda
em ruínas. Este livro apresenta o quadro da ira de Deus, “O Senhor é zeloso e vingador e cheio de ira; O Senhor toma vingança contra os seus adversários e reserva indignação para os seus inimigos”. Deus odeia o pecado e sobre ele faz cair o seu juízo.
A cidade de Nínive foi destruída em 607 AC, pelos medos e babilônios, no ápice de seu grande poder. Segundo as profecias de Naum, aconteceu realmente quando uma súbita enchente do Rio Tigre fez ruir uma grande parte da muralha, o que auxiliou o exercito atacante a destruir a cidade e parcialmente destruída também pelo fogo (Naum 2.6; 3.13, 15)
A cidade tinha contra si mais uma denúncia, apresentada anos mais tarde pelo Profeta Sofonias, Sf.2.13. Em 607 a.C, Nínive foi destruída completamente e tudo se cumpriu. Tão completa foi sua destruição que todos os traços do império Assírio desapareceram, e muitos até julgavam que os fatos narrados na Bíblia não passavam de mitos, mas em 1820 e 1845, os historiadores descobriram as ruínas da cidade, a seus majestosos palácios dos reis da Assíria juntamente com milhares de inscrições, descrevendo os acontecimentos escritos pelos próprios assírios.

7 – Conclusão

Paulo repete Naum 1: 15 em Romanos 10: 15 em relação ao Messias e Seu ministério, bem como aos apóstolos de Cristo no Seu tempo. Também pode ser aplicado a qualquer ministro do Evangelho cuja atividade é "pregar o Evangelho da paz".
Temos o dever de anunciar as boas-novas de salvação, e transmitir o evangelho a toda criatura, a começar da nossa casa.
Pois assim como a justiça do Senhor foi feita em Nínive por causa de sua maldade e pecados, Ele também o fará sobre toda terra, julgando-a de todos os seus atos e trazendo julgamento sobre cada nação.






Nenhum comentário:

Postar um comentário

VideoBar

Este conteúdo ainda não está disponível por conexões criptografadas.

Pesquisar este blog